20 de fev de 2009

Há mais entre nós

Há mais que um mar entre nós
Há mais que o dia e a noite
Há mais que nós mesmos
Há o nós que fazemos as distâncias

Com nossos medos, nossas covardias
Nossos esconderijos, nossas melodias
Atravessamos o pensamento vazio
E nos fazemos solitários por opção.

Há mais do que imaginamos
Há um arrepio na imaginação fértil
Uma descompostura na fala inerte
E um não quando o sim é tudo.





NAZARO, Lucy S. Bortolini. Há mais entre nós (Poesia) Disponível em: http://lucynazaro.blogspot.com/ Postada em 2 de março de 2009 às 11:12. Licença: Creative Commons.

Creative Commons License
Há mais entre nós by Lucy Salete Bortolini Nazaro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.

18 de fev de 2009

TÍTERES

Eu sinto que o destino nos afasta mais e mais
Não há um caminho de encontro na estrada que trilhamos
Há pedras, muros, mares e rios sem pontes
Ouvidos moucos, uma boca que cala e uma alma que fala.

Não há encontro marcado, esbarrar-se numa rua qualquer não é nada
Olhares que se beijam é sonho de madrugada, vida iludida, cansada
Mãos que se encontram, são apenas diferentes toques sutis
Para divertir quem maneja os títeres deste palco iluminado.

Podres poderes nos deram, com veneno nos alimentaram
Criamos armas, inventamos mortes diferentes
Como vingança doce sugamos o sangue de inocentes
Rindo porque ainda acreditam que podem...

Cortamos as amarras do manejador, enfrentamos nosso medo
Convivemos com a dor, criamos destinos ignotos,
Não cremos mais no amor. Do mundo resta um esgoto
Por onde escorremos como fezes jogadas por todos os seres.

Até quando o universo resiste? Ou o Cósmico insiste?
Não há reserva de amor na cacimba da seca
Homens rasparam o fundo da lama,
A morte, resta a morte do céu e um adeus ao sonho...

Porque o homem não quer olhar para seu Eu Divino. Não se escuta mais!
(Nazaro, Lucy Salete Bortolini. TÍTERES
(Poesia). Escrevivendo. 2009. Disponível em URL: http://lucynazaro.blogspot.com/
Postado em 19 de fevereiro de 2009 às 01:00. Licença: Creative Commons.

Creative Commons License
TÍTERES by Lucy Salete Bortolini Nazaro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.

ÉRAMOS UM

Somos caminheiros que nos separamos em tempos idos
Éramos um, depois dois, e éramos tribos
Éramos falantes com o céu, desnudando estrelas nos ares
Enfrentando medos, provando a fé e cruzando mares.

Éramos um, depois dois, guiados pela lei e pelo amor
Travessias de magias e encantamento divino nos deram
Recebemos maná, a Bíblia, os mandamentos, o Corá
Lemos por muito tempo, dobramos joelhos sinceros

Nos demos as mãos, brigamos, unimos e separamos
Davi, Golias, pedras e músculos, em vão por anos lutamos
Perdidos em mundos de outros, vagamos
E nós que éramos um, depois dois, voltamos.

Nossos fogos saltam nos ares de nossas cabeças
Não são de festa de irmãos, não há alegria, confraternização
Vejo dores, separações, ódio, uma terra ferida
Terror espalhado entre nós que éramos vida

Éramos um e depois dois e caminhamos para não sermos mais Homens!
Não posso ser um... mas tenho que ser Humano!

(Nazaro, Lucy Salete Bortolini. ÉRAMOS UM
(Poesia). Escrevivendo. 2009. Disponível em URL: http://lucynazaro.blogspot.com/
Postado em 19 de fevereiro de 2009 às 01:00. Licença: Creative Commons.

Creative Commons License
ÉRAMOS UM by Lucy Salete Bortolini Nazaro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.

PÉROLA DO UNIVERSO

Uma curva desvia o que era destino,
Uma força, um vento, um siroco menino
Um grão perdido no sideral espaço
Cria a pérola solitária do universo.

Um róseo coração saltita pelos ares
Navega em barco a vela pelos mares
Voa inquieto, solitário burbulhando amor
Enfeitando jardins verdes de colorida flor.

Há um sonho que insiste se mostrar amarelo,
O quero azul, verde ou vermelho, mas sincero
Exibindo a nave do cósmico voante que o leva
E me busca e em dreams suaves nos enleva.

Mais um risco de um vento no universo... e um grão se fará pérola...

(Nazaro, Lucy Salete Bortolini. PÉROLA DO UNIVERSO
(Poesia). Escrevivendo. 2009. Disponível em URL: http://lucynazaro.blogspot.com/
Postado em 19 de fevereiro de 2009 às 01:00. Licença: Creative Commons.


Creative Commons License
PÉROLA DO UNIVERSO by Lucy Salete Bortolini Nazaro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.

PÁGINA VAZIA

A página em branco ria de mim, ao escárnio
Me fixava atentamente, lendo minhas emoções
Ansiava pela exposição de meus medos
Me odiava por deixá-la ali, parada, em branco.

Secara minha fonte de vaidades e vontades
Nenhuma palavra se insinuava nas pontas de meus dedos
De tudo o que eu sabia e queria, tinha o nada e meus medos
Minha angústia seca que impedia as lágrimas de cantarem.

Um vazio dolorido se inchava em minha mente
Um horizonte desaparecido dançava suavemente
Enquanto minha alma desistia, se despedia lentamente.

Eu fixava o nada em mim, tentando ler minhas emoções
Mas já não as via, nem havia uma sequer, desapareceram
Simplesmente me deixaram, porque a mente viajava só.

Fui feita para ser caminheiro buscando um poente que não existe.

(Nazaro, Lucy Salete Bortolini. PÁGINA VAZIA
(Poesia). Escrevivendo. 2009. Disponível em URL: http://lucynazaro.blogspot.com/
Postado em 19 de fevereiro de 2009 às 01:00. Licença: Creative Commons.

Creative Commons License
PÁGINA VAZIA by Lucy Salete Bortolini Nazaro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Visite
http://poeticadigital.ning.com/profile/LucySaleteBortoliniNazaro

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Sonhos são como nuvens valsando flocos de algodão

Minha foto
Palmas, Paraná, Brazil
Quando o coração começa a viajar cedo na vida, vai se espalhando e esparramando um pedaço da gente em cada canto por onde passamos. Acho que comigo foi algo assim. Minha família sempre ficou com a maior parte, talvez, também, a melhor, mas alguns pedacinhos indiscretos foram se perdendo pelos caminhos. Quando comecei a querer recrutá-los de volta, mandei muita correspondência, escolhi a forma poemas, a forma frases, pensamentos, mas nenhuma resposta imediata. Depois, enviei contos, romance... e usei a internet com suas múltiplas doses de endereços. Comecei a perceber que o que deixei para trás não há como recuperar, mas há sim um jeito de reconstruir esse coração, com novos arranjos, novos pedaços, colhidos aqui e acolá, alguns até parecidos com o meu, e penso que posso torná-lo inteiro novamente. Continuo usando as mesmas formas, porém, com novas fórmulas e novos endereços. Estou gostando das respostas que recebo. Meu coração ainda viaja, mas agora tenho roteiro e carteira de motorista! Prof´Eta (Professora e Poeta).

PÉROLA DO UNIVERSO

Uma curva desvia o que era destino,
Uma força, um vento, um siroco menino
Um grão perdido no sideral espaço
Cria a pérola solitária do universo.

Um róseo coração saltita pelos ares
Navega em barco a vela pelos mares
Voa inquieto, solitário burbulhando amor
Enfeitando jardins verdes de colorida flor.

Há um sonho que insiste se mostrar amarelo,
O quero azul, verde ou vermelho, mas sincero
Exibindo a nave do cósmico voante que o leva
E me busca e em dreams suaves nos enleva.

Mais um risco de um vento no universo... e um grão se fará pérola...

Postagens populares

APAL- Academia Palmense de Letras

APAL- Academia Palmense de Letras
Academia Palmense de Letras