19 de set de 2010

Sobre o Lançamento do Livro“Nós Podemos Ser Mais do que Somos”, de Vanderlei Roberto Silva


Aconteceu, com sucesso, no último dia 15 de setembro, data natalícia de Vanderlei, o lançamento de seu livro, na Livraria Kayngangue. Lá estiveram seus familiares, amigos, empresários, políticos e representantes da Academia Palmense de Letras-APAL.
Eu fui agraciada com a primeira leitura da obra, uma vez que contribuí com a revisão ortográfica do mesmo e com o Posfácio. Tenho a dizer que quando o visitei na prisão me surpreendi com o seu estado de ânimo no ato da escritura, em sua alegria pelo término do livro. Confesso que encontrei um autor cheio de esperanças, alguém que aproveitou o tempo de sua liberdade cerceada para dedicar-se às leituras, para crescer espiritualmente, para voltar-se ao lado mais humano que existe dentro de nós e que nem sempre lembramos. Alguém que se superou.
Quando ele e o apresentou como “Projeto Cabrito inicia dia 10 de julho de 2010” e me contou sobre o que iria escrever, leu partes dele para mim, fiquei surpresa. Realmente se trata de uma obra escrita por alguém que se deu conta da roda viva em que sua vida se transformou, sempre priorizando o trabalho, a corrida desenfreada pelo ter, deixando de lado a si próprio, como um ser humano, criado por Deus para simplesmente “Ser Feliz”.
E, ainda, como esta “parada obrigatória”, nesta etapa de sua existência, o levou a questionar-se sobre o que fez consigo mesmo e com os que o amavam. Mas, como ele mesmo diz “Tudo tem um propósito, nada acontece por acaso”, se ali está alguma coisa ele deve aprender e que este aprendizado seja profícuo para sua vida. Ele tomou como inspiração, para sua escritura, o escritor italiano OG. Mandino, usou algumas citações e fez paráfrases.
Hoje, Vanderlei convive com pessoas tão iguais em nascimento, sendo todos filhos da criação Divina, mas tão diferentes em sua trajetória de vida. Aprendeu a ter paciência, a conviver com apenas o necessário, a deixar o supérfluo de lado, a compartilhar a vida, a ter piedade, compreensão, entendimento sobre as agruras da vida, na medida do possível e, principalmente a ouvir o outro sem julgá-lo.
Neste ato de ouvir, Vanderlei conheceu muitas histórias, histórias que poderiam ter sido diferentes, mas não foram. Histórias que nos assustam, mas nos mostram o quanto somos individualistas e não solidários, histórias que nos mostram uma história da sociedade que preferíamos não saber, talvez por isso fazemos ouvidos moucos.
Vanderlei se deu conta e nos mostra parcelas da miserabilidade do mundo, da sociedade injusta, diferenciadora e cruel. Da falta de carinho, de amor e cuidados para com nossas crianças e jovens que se desviam para o caminho da tragédia, como é o caso do caminho das drogas. Se deu conta da falta de oportunidades a todos eles, no momento que seria o certo em suas vidas. Se deu conta, enfim, o quanto foi abençoado por Deus e o quanto tem a agradecer pelos seus 37, quase 38 anos de vida.
Não guarda rancores, procura compreender os porquês. Procura sua liberdade como o reconhecimento de sua verdade. Mas guarda todos os conhecimentos que obteve com esse acontecimento terrível de sua vida. Aprendeu, principalmente, qual é o sentido verdadeiro da amizade desinteressada. Confirmou que o amor maior e o verdadeiro berço que nos acolhe, nos cuida, confia em nós e nos ama incondicionalmente é a FAMÍLIA!
Assim, a leitura e revisão de sua obra foram uma forma de reolhar o mundo a minha volta, de reolhar para mim mesma como parte de um coletivo que, como muitos, talvez eu queira ignorar. Por medo? Insegurança? Preguiça? Comodismo? Sabe-se lá quantas outras desculpas podemos dar. O fato é que vivemos em coletividade, deveríamos conviver, sermos uma comunidade, onde cada qual pode e deve saber que faz a diferença.
Acredito que agora Vanderlei sabe que faz a diferença quando age com a dignidade de um Ser Humano feito a imagem e semelhança do Criador e que não veio a este mundo a passeio. Aprendeu o valor e a verdade das palavras: amor, família, amizade, justiça, verdade, dignidade e, principalmente Liberdade!
Com certeza, dessa experiência não nasceu um santo, um pastor, ou algo do gênero, mas pode ter nascido e nasceu um novo homem e mais um escritor nessas terras do Pé vermelho!
EM NOME DA APAL E DA ALAP, PARABÉNS AO VANDERLEI PELO LIVRO E PELO SUCESSO NO LANÇAMENTO DE SUA OBRA!

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Sonhos são como nuvens valsando flocos de algodão

Minha foto
Palmas, Paraná, Brazil
Quando o coração começa a viajar cedo na vida, vai se espalhando e esparramando um pedaço da gente em cada canto por onde passamos. Acho que comigo foi algo assim. Minha família sempre ficou com a maior parte, talvez, também, a melhor, mas alguns pedacinhos indiscretos foram se perdendo pelos caminhos. Quando comecei a querer recrutá-los de volta, mandei muita correspondência, escolhi a forma poemas, a forma frases, pensamentos, mas nenhuma resposta imediata. Depois, enviei contos, romance... e usei a internet com suas múltiplas doses de endereços. Comecei a perceber que o que deixei para trás não há como recuperar, mas há sim um jeito de reconstruir esse coração, com novos arranjos, novos pedaços, colhidos aqui e acolá, alguns até parecidos com o meu, e penso que posso torná-lo inteiro novamente. Continuo usando as mesmas formas, porém, com novas fórmulas e novos endereços. Estou gostando das respostas que recebo. Meu coração ainda viaja, mas agora tenho roteiro e carteira de motorista! Prof´Eta (Professora e Poeta).

PÉROLA DO UNIVERSO

Uma curva desvia o que era destino,
Uma força, um vento, um siroco menino
Um grão perdido no sideral espaço
Cria a pérola solitária do universo.

Um róseo coração saltita pelos ares
Navega em barco a vela pelos mares
Voa inquieto, solitário burbulhando amor
Enfeitando jardins verdes de colorida flor.

Há um sonho que insiste se mostrar amarelo,
O quero azul, verde ou vermelho, mas sincero
Exibindo a nave do cósmico voante que o leva
E me busca e em dreams suaves nos enleva.

Mais um risco de um vento no universo... e um grão se fará pérola...

Postagens populares

APAL- Academia Palmense de Letras

APAL- Academia Palmense de Letras
Academia Palmense de Letras