2 de mai de 2014

RETORNO

Resisti muito para voltar a escrever. Não há estímulos positivos, somente uma dança de ofensas, brigas, com vários lados e versões, que no fundo não levam a nada. Então, falar sobre isso tudo é cair na rotina, é chover no molhado, o que não quero fazer, então parei, fiquei apenas observando. Mas, nessa minha “parada” acabei por observar um dado novo: o povo já está enjoado, ou enojado não sei, de tudo isso. No começo até gostam, quem não gosta de uma briga- no quintal do alheio, é claro, mas só para ficar observando, “meter o bedelho”, tudo de longe. Até que muitos gostam mesmo, inclusive de colocar lenha quando a fogueira está ficando em brasas. Mas quando o quintal vai se expandindo e as brasas acabam tomando espaços muito perto de sua visão, há o recuo. Ninguém gosta de se queimar, nem mesmo em épocas de S. João, pois poucos se aventuram a “andar sobre brasas”. Antigamente se gostava muito disso. Não é a toa que em criança- é isso mesmo, em criança, pois sou gente de antigamente (bem mais de meio século de vida), eu ouvia causos de brigas aos montões, de mortes por arma de fogo, por facão, por um monte de histórias bestas: mulheres, terras, “pinga”, briguinhas de vizinhos, jogatina e até por bichos de estimação. Mas acontece que as “ditas brigas e mortes” ficavam apenas nas histórias dos “outros” e viravam lendas dessas terras. Eu mesma via homens desfilando a cavalo portando armas em coldres que eu via nos filmes de faroeste que passavam no Cine Alvorada. Achava até bonito, era mostra de “machismo”. Lembro que eram pessoas rústicas, normalmente não faziam a barba, calçavam botas e usavam enormes chapéus. Havia, é claro, os valentes mais chiques. Mas o que chamava a atenção e metia medo era o que eles chamavam de “capangas”, para nós eram “os bruxos” dos contos de fada, nada mais. E vejam o paradoxo, eu brincava no Parque da Gruta, com outras meninas, sem medo algum, a gente explorava o local, brincava de cipó, subia em árvores, colhia frutinhas silvestres, fazia casinha e nada de mal acontecia, tudo era seguro; sem perigo nenhum andava pelas ruas, ia a pé para a escola e nada, nada de medo de gente. Nada de brigas de gangues- aliás, nem se sabia o que era isso. Nada de drogas, nada de assaltos, nada de estupros; nossa vida era ESTUDAR e BRINCAR e isso ia longe. Até os namoricos eram inocentes. Era uma época em que discussões e brigas não se tornavam domínio público. Assim sendo, sinto saudades, queria que o tempo voltasse, pelo menos nisso: segurança, educação, saúde como algo que não se precisa pedir, ela está onde todos estão e precisam dela.

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Sonhos são como nuvens valsando flocos de algodão

Minha foto
Palmas, Paraná, Brazil
Quando o coração começa a viajar cedo na vida, vai se espalhando e esparramando um pedaço da gente em cada canto por onde passamos. Acho que comigo foi algo assim. Minha família sempre ficou com a maior parte, talvez, também, a melhor, mas alguns pedacinhos indiscretos foram se perdendo pelos caminhos. Quando comecei a querer recrutá-los de volta, mandei muita correspondência, escolhi a forma poemas, a forma frases, pensamentos, mas nenhuma resposta imediata. Depois, enviei contos, romance... e usei a internet com suas múltiplas doses de endereços. Comecei a perceber que o que deixei para trás não há como recuperar, mas há sim um jeito de reconstruir esse coração, com novos arranjos, novos pedaços, colhidos aqui e acolá, alguns até parecidos com o meu, e penso que posso torná-lo inteiro novamente. Continuo usando as mesmas formas, porém, com novas fórmulas e novos endereços. Estou gostando das respostas que recebo. Meu coração ainda viaja, mas agora tenho roteiro e carteira de motorista! Prof´Eta (Professora e Poeta).

PÉROLA DO UNIVERSO

Uma curva desvia o que era destino,
Uma força, um vento, um siroco menino
Um grão perdido no sideral espaço
Cria a pérola solitária do universo.

Um róseo coração saltita pelos ares
Navega em barco a vela pelos mares
Voa inquieto, solitário burbulhando amor
Enfeitando jardins verdes de colorida flor.

Há um sonho que insiste se mostrar amarelo,
O quero azul, verde ou vermelho, mas sincero
Exibindo a nave do cósmico voante que o leva
E me busca e em dreams suaves nos enleva.

Mais um risco de um vento no universo... e um grão se fará pérola...

Postagens populares

APAL- Academia Palmense de Letras

APAL- Academia Palmense de Letras
Academia Palmense de Letras