29 de set de 2008

UM NOVO TEMPO

Lá fora o vento geme suas últimas horas sobre a terra
Caem as amarras das crenças
Como se soasse uma última sentença
Quando a ventania entorta a galhada, desvairada
E sei que o frio bate em minha porta, pela última vez.

É quase o mesmo que em minha vida se aporta
A me lembrar de tua sombra inalcançada
Batendo, entortando e rugindo numa alma destroçada
Onde morreram lentamente os últimos sonhos
Necrosando um coração tristonho, amargurado, didivido,
Como o inverno que se esvai, carcomido
Pelo calor de um novo sol que se impõe.

Que sabes do frio que se sente à rua?
Quando um ser se entrega por inteiro à vida
Desfilando de alma nua
Enquanto, ao seu redor, sibila o vento em rajadas de amargura?

Ninguém pode saber, a não ser um coração que assim viveu
Se entregando por inteiro, em noites de solidão
Insistindo no pensamento louco
Que o inverno passa, que o verão é pouco
E novas neves chegarão.

Ninguém pode saber, se nunca tocou o vento com os dedos gelados
Se nunca viveu sentimentos, que foram congelados
Se dentro de um coração, não conheceu o abstrato concreto da dor

Mas eu? Eu....que pairo em todas essas superfícies
Não sou nem vento, nem brisa, nem maresia
Sou um turbilhão que quer ser furacão
Que passa pela alma das pedras, gritando em vão
Que vê com os olhos dos animais
Que sente a seiva das plantas e acorda com as flores da madrugada
Nas luas de cristal confundindo-as com o calor do sol

Eu...sem mim

6 de set de 2008

Muitas vidas em uma vida (meu novo livro- por publicar)

Somos muitas vidas em uma vida, vivemos experiências múltiplas de nós mesmos, nos acumulando de nascências que se somam sem nos apercebermos delas. Muitas vezes passamos simplesmente repetindo erros e desacertos, ignorando nossa identidade divina, que nunca nos abandona, mesmo quando a abandonamos por nossa própria ignorância e vontade.
Somos crianças que surgem para a luz, na espontaneidade da evolução, feitas do encontro de almas que vagam às escuras, se encontram e desencontram, cometem equívocos, tentam acertos, se doam e contribuem para a continuidade do universo em busca da perfeição.

LucyNazaro Escrevivendo

O Cósmico canta para nós

A música embala nossos sonhos
Nossa alma dança a lenta magia do futuro
Que guarda nossas realidades vindouras.

O canto encanta almas desencontradas
Que encantadas pela magia da vida
Caminham rumo a um céu de luz

E a voz do silêncio é secreta
Só ouvem os que tem asas no coração
E uma alma iluminada pelo cósmico
Que canta a sua canção!

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Sonhos são como nuvens valsando flocos de algodão

Minha foto
Palmas, Paraná, Brazil
Quando o coração começa a viajar cedo na vida, vai se espalhando e esparramando um pedaço da gente em cada canto por onde passamos. Acho que comigo foi algo assim. Minha família sempre ficou com a maior parte, talvez, também, a melhor, mas alguns pedacinhos indiscretos foram se perdendo pelos caminhos. Quando comecei a querer recrutá-los de volta, mandei muita correspondência, escolhi a forma poemas, a forma frases, pensamentos, mas nenhuma resposta imediata. Depois, enviei contos, romance... e usei a internet com suas múltiplas doses de endereços. Comecei a perceber que o que deixei para trás não há como recuperar, mas há sim um jeito de reconstruir esse coração, com novos arranjos, novos pedaços, colhidos aqui e acolá, alguns até parecidos com o meu, e penso que posso torná-lo inteiro novamente. Continuo usando as mesmas formas, porém, com novas fórmulas e novos endereços. Estou gostando das respostas que recebo. Meu coração ainda viaja, mas agora tenho roteiro e carteira de motorista! Prof´Eta (Professora e Poeta).

PÉROLA DO UNIVERSO

Uma curva desvia o que era destino,
Uma força, um vento, um siroco menino
Um grão perdido no sideral espaço
Cria a pérola solitária do universo.

Um róseo coração saltita pelos ares
Navega em barco a vela pelos mares
Voa inquieto, solitário burbulhando amor
Enfeitando jardins verdes de colorida flor.

Há um sonho que insiste se mostrar amarelo,
O quero azul, verde ou vermelho, mas sincero
Exibindo a nave do cósmico voante que o leva
E me busca e em dreams suaves nos enleva.

Mais um risco de um vento no universo... e um grão se fará pérola...

Postagens populares

APAL- Academia Palmense de Letras

APAL- Academia Palmense de Letras
Academia Palmense de Letras