27 de nov de 2009

Título de Cidadã Honorária de Palmas-Pr (dia 26/11/09)



Dia 26/11/09, às 20h aconteceu o evento na Câmara Municipal de Palmas-PR, onde fui agraciada com a honraria me concedendo o Título pela co-autoria na letra do Hino do Município.
Agradeço ao Legislativo Palmense e aos que me ajudaram na caminhada pessoal e profissional, de modo especial meus familiares e amigos, contribuindo para o despertar de minha trajetória poética.
Agradeço, de modo especial, aos que se fizeram presente no evento e parabenizo os colegas Homenageados da Noite.

9 de nov de 2009

A Bruxa do 41

Conta uma história que lá pela rua Bento Stingelin nº 41, em Palmas-PR, tem uma casa que pertenceu a uma bruxa. É, dizem que ela nascera há uns trezentos anos atrás e sempre reencarnava, em forma de moça bonita e acabava conquistando as pessoas para se aproveitar delas, tirar delas a sua própria eternidade, enquanto procurava seu antigo e eterno amor.
E, segundo consta, tudo começou no século passado, lá pelos anos 60, nasceu uma menina loirinha de olhos verdes e cabelos cacheados. Nasceu numa casa onde fica hoje o nº 41. Desde pequena cantava, brincava e encantava todo mundo. Mas ninguém sabia a que veio tanto encanto. A menina cresceu. Na escola sempre se deu muito bem. Parecia uma menina normal. Mas ela cresceu e seus planos começaram a crescer também. Todo aquele encanto servia para que ela trabalhasse a seu favor. A princípio, dominava seus pais, conseguia tudo o que queria, até parece “The Cucos the Midwich”, com treze anos já dirigia, tinha um carro muito bonito, suas roupas eram as melhores, passeava muito pelas festas, que obrigava seus pais a levarem. Vivia como uma princesa. Arrumava o namorado que queria e, aos dezesseis anos já passara por uns quatro. Todos loucos para ficar com ela, mas descartados assim que o encanto se quebrava. Ela sempre queria mais e muito mais. Desmanchou até noivados, apenas para provar aos outros o seu poder de sedução, alimentar sua vaidade.
Aos dezessete anos era uma moça feita, perdera as amigas e foi estudar fora. Parece que estivera num colégio em São Paulo. E, lá pelos vinte e cinco, voltou para casa. Estava ainda mais bonita e agora “formada”, cursava o doutorado em algum curso de nome estranho para todos. Pela primeira vez passava as férias inteiras com seus pais.
Nos sete primeiros dias que ela estava na cidade coisas estranhas começaram acontecer. Ao lado da bela moça ronronavam sempre três gatos pretos, se enroscando num miado choroso que dava arrepios. À noite ela passeava com eles, mesmo quando chovia, podia-se ver ela vagando pelas ruas, com os três bichanos ao redor. Durante o dia ela dormia, nunca saía ou recebia visitas. As pessoas estranhavam. Mas ela era da cidade grande, quem sabe??!! Poderia ter enlouquecido de tanto estudar. Já acontecera com um amigo dela que foi estudar na mesma época e acabou voltando três anos depois, totalmente louco. Seus pais tentaram de tudo, até que acabaram acorrentando o pobre em casa, num quartinho nos fundos, onde o mantinham sob vigia.
Kaluna, era o seu nome, ela era estranha como ele, pode-se dizer “um bicho lunar’. Continuava bonita, mas estava estranha. Nos primeiros dias de sua estada na cidade aconteceu um acidente, morreram dois jovens, muito moços. Logo depois, desabou um casarão antigo, desses que o tempo conta como tradicionais da região, lá também morreu uma moça soterrada nos escombros. Aconteceu à noite enquanto todos dormiam. Depois, um noivo abandonou a noiva no altar, simplesmente desapareceu, não chegou ao casamento. A noiva se enforcou. Mais um moço morreu afogado, enquanto pescava no rio Chopin. Já eram sete. Os dias se passaram e com eles várias fases da lua que crescia, crescia e crescia. Era até comum que sempre em finais de ano tragédias acontecessem. Só que neste ano estava demais.
Muitos procuravam Kaluna e conversavam com ela, os andantes noturnos, principalmente. Mas nunca nenhum a importunou, mais do que ela queria. Acontece que um deles, o Daniel, por ela se apaixonou perdidamente e começou a segui-la, a procurá-la insistentemente, e ela deixava que ele chegasse cada vez mais perto, foi enredando-o em seu laço e tomando-lhe, aos poucos, todas as vontades. Ele também era bonito e cobiçado. Acarinhava-o como a seus gatos, que também iam se multiplicando com o passar do mês.
Veio o segundo mês e na última noite de lua cheia apareceu na cidade uma grande tocha de fogo que bailava no ar, saindo da cachoeira e se dirigindo para a praça, foi marcando algumas casas com chispas igual raios vindos do céu. Muitos que perambulavam pelas ruas, depois da meia-noite, juram que viram a tal tocha dançando no ar. Uns juram que parecia uma mulher voando entre brilhos azulados, sentada numa almofada de veludo vermelho. Outros, dizem que era uma tocha humana voando. Mas foi tão rápido que ninguém conseguiu explicar direito o acontecimento. Na casa de Kaluna também se comentou o fato.
À noite, ela despediu-se dos familiares, pegou o ônibus. Destino? Tibet. Dizem que partia para mais uma viagem de estudos. Levou consigo uma caixa cheia de gatos, nem todos eram pretos, mas todos tinham olhos verdes e azuis, como os das pessoas que haviam morrido. Neste mesmo ônibus partiu com ela o seu apaixonado Daniel, que abandonou a noiva às portas do casamento.
Ao amanhecer, mais duas casas choraram seus mortos. As casas queimadas pelas chispas da tocha...
Uma senhora antiga da cidade, jurou que vira a foto de kaluna num quadro do Museu Histórico local. Era uma bonita esposa de um bandeirante que por aqui passara há trezentos anos, tocando tropa de gado em direção de Minas. Contam que ela fora raptada pelos índios durante uma luta renhida travada na região, seu marido passou o resto de sua vida a procurando, acabou enlouquecendo e habitando pra sempre nos campos de Palmas, onde vagueia até hoje, segundo capatazes antigos que contam histórias de visagens. Mas a tal foto desapareceu como que por encanto, ninguém nunca conseguiu provar que a jovem mulher trucidada era realmente parecida com Kaluna. Contam que nas noites de sexta-feira, quando há lua cheia, ele aparece cavalgando nos campos e gritando por seu nome. E que ela recolhe as almas das pessoas na esperança de encontrar a de seu amor. E, de vez em quando leva consigo aquele que mais se parece com ele. Quando descobre que ele não preenche o vazio de seu grande amor, o transforma em gato que carrega para sempre consigo.
Vinte anos se passaram. Todos esqueceram-se da última viagem de Kaluna, mas um ônibus pára na rodoviária e descem duas pessoas e três gatos pretos. Vinte anos que pararam no tempo para os dois, continuavam belos, eternamente belos. Pegaram um táxi e deram a direção: nº 41, rua Bento Stingelin. E quem os conheceu antigamente, ao vê-los, tremeu com o vento que sussurrava enquanto os dois abraçadinhos passeavam pela cidade, nas noites em que a lua crescia, crescia e crescia.
Desta vez era 31 de outubro e não era época de férias...

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Meu Livro: Quem tem Medo de Gatos? E outras estórias (Ed. Vozes)

Sonhos são como nuvens valsando flocos de algodão

Minha foto
Palmas, Paraná, Brazil
Quando o coração começa a viajar cedo na vida, vai se espalhando e esparramando um pedaço da gente em cada canto por onde passamos. Acho que comigo foi algo assim. Minha família sempre ficou com a maior parte, talvez, também, a melhor, mas alguns pedacinhos indiscretos foram se perdendo pelos caminhos. Quando comecei a querer recrutá-los de volta, mandei muita correspondência, escolhi a forma poemas, a forma frases, pensamentos, mas nenhuma resposta imediata. Depois, enviei contos, romance... e usei a internet com suas múltiplas doses de endereços. Comecei a perceber que o que deixei para trás não há como recuperar, mas há sim um jeito de reconstruir esse coração, com novos arranjos, novos pedaços, colhidos aqui e acolá, alguns até parecidos com o meu, e penso que posso torná-lo inteiro novamente. Continuo usando as mesmas formas, porém, com novas fórmulas e novos endereços. Estou gostando das respostas que recebo. Meu coração ainda viaja, mas agora tenho roteiro e carteira de motorista! Prof´Eta (Professora e Poeta).

PÉROLA DO UNIVERSO

Uma curva desvia o que era destino,
Uma força, um vento, um siroco menino
Um grão perdido no sideral espaço
Cria a pérola solitária do universo.

Um róseo coração saltita pelos ares
Navega em barco a vela pelos mares
Voa inquieto, solitário burbulhando amor
Enfeitando jardins verdes de colorida flor.

Há um sonho que insiste se mostrar amarelo,
O quero azul, verde ou vermelho, mas sincero
Exibindo a nave do cósmico voante que o leva
E me busca e em dreams suaves nos enleva.

Mais um risco de um vento no universo... e um grão se fará pérola...

Postagens populares

APAL- Academia Palmense de Letras

APAL- Academia Palmense de Letras
Academia Palmense de Letras